Aulas / Dicas de regras da Nova Ortografia

Aulas

Dicas de regras da Nova Ortografia

Ainda faz confusão da hora de escrever segundo as regras no Novo Acordo Ortográfico? Confira algumas dicas para treinar e não errar mais!

O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa já está em vigor desde 2009, teve o chamado período de adaptação até 2013 e hoje está em vigor em todos os âmbitos escolares, vestibulares e concursos em geral. Entretanto, ainda há muita dúvida na hora de utilizar as novas regras, o que é natural já que depois de ano aprendendo de um jeito é difícil se acostumar com as mudanças. Para resolver esse problema, só estudando e utilizando a língua escrita para absorver as novas mudanças aos poucos.

novo-acordo-ortográfico

Uma questão importante a se considerar é que é muito mais fácil aprender as novas regras, pois desse forma você pode aplicá-las a centenas de palavras. E assim, aos poucos ir absorvendo na sua memória fotográfica a nova ortografia das palavras que sofreram mudanças. Entre as regras que causam maior confusão, estão:

Importante lembrar: Não existe casos nas regras da Nova Ortografia de novos acentos, apenas queda de acento em alguns casos.

  • Acentuação: “i” e “u”
    Não se acentua mais “i” e “u” tônicos formando hiato, quando vieram depois de ditongo. Por exemplo, palavras como feiura e bocaiuva que antes eram escritas com acento “feiúra” e “bocaiúva”.

    Obs: Se a palavra for oxítona e o “i” ou “u” estiverem no final da palavra, o acento permanece, como na palavra Piauí. No demais casos com ambas as letras tônicas formando hiato, o acento continua, exemplo: saúde, gaúcho, saída, etc.

  • Hiato: “oo” e “ee”

    Os hiatos “oo” e “ee” não são mais acentuados. Como é o exemplo das palavras enjoo, voo, povoo e deem. Antes escritas como acentos circunflexo “enjôo”, “vôo”, “povôo” e “dêem”.

  • Palavras homônimas

    Aquelas palavras com grafia e pronunciação igual, mas sentidos diferentes, são chamadas de homônimas. Essas deixaram com o novo acordo de receber o acento diferencial.

    Eram assim: Pára/para, péla/pela, pêlo/pelo, pêra/pera, pólo/polo, etc

    Nova Ortografia: para, pela, pelo, pera, polo (não recebem mais acento para distinguir, portanto, são diferenciadas no contexto apenas)

    Obs: O acento diferencial continua no verbo “poder”: pôde/pode e no verbo “pôr” para diferenciar da preposição “por”.

  • Hífen  

    Em geral, o hífen é o que causa maior dúvida, então fique ligado:

    “r” e “s”: Na nova regra, o hífen não é utilizado em prefixos terminados em vogal seguida de palavras iniciadas com “r” ou “s”, nesses casos as letras são duplicadas: antessala, autorretrato, antissocial, infrassom, etc.

    Mesma vocal: O hífen é utilizado quando o prefixo termina com uma vogal e a segunda palavra começa com a mesma vogal. Por exemplo: anti-ibérico, anti-inflamatório, micro-ondas, etc.

    Vogais diferentes: Quando o prefixo termina com vogal diferente da que inicia a segunda palavra, então não será utilizado o hífen, exemplos: autoafirmação, autoajuda, autoescola, neoimperialista, semiaberto, etc.
    Obs: Essa regra não se aplica se a palavra seguinte iniciar por h: anti-herói, anti-higiênico, extra-humano, etc.

No GetNinjas você encontra professores particulares especializados em concurso público, solicite um orçamento e receba até 7 contatos de profissionais na sua região.